NOTICIA

Na pandemia, vestibulares realizados em casa viram realidade em universidades privadas

15/02/2021 17:44

PUC do Paraná adotou vestibular remoto por causa da Covid e, segundo vice-reitor, tendência é que ele continue após fim da pandemia Foto: Divulgação/PUC-PR


Ao menos 1.300 instituições de ensino superior realizaram vestibulares remotos em 2020  para cerca de meio milhão de estudantes


Enquanto alunos pediam o adiamento do Enem — em vão, o que causou uma taxa recorde de abstenção —, as universidades privadas buscaram maneiras de realizar processos seletivos à distância. Mais de 1.300 instituições organizaram vestibulares nos quais os estudantes faziam a prova de casa para o primeiro semestre de 2021. Entre elas, nomes importantes do setor como a Fundação Getúlio Vargas (FGV) e a Pontifícia Universidade Católica (PUC) de alguns estados.

Facilidade de correção, maior alcance geográfico (já que alunos de qualquer local do mundo podem fazer a prova) e fim de todo o processo de impressão e distribuição de provas físicas são alguns benefícios que pesam para que o modelo ganhe força mesmo após o fim da pandemia.

— Ainda não dá para definir se continuaremos utilizando esse modelo quando a Covid-19 passar, mas posso dizer que a tendência é de manter — afirma Nivaldo Martins, vice-reitor da PUC-PR.

A instituição decidiu usar o mecanismo para poder realizar o vestibular sem riscos, nem prejuízos ao calendário acadêmico. Assim, quase oito mil estudantes participaram de dois processos seletivos, um para Medicina e outro para os diversos outros cursos.

Por causa da Covid-19:UERJ adia vestibular para maio e adota prova única

Para Antonio Freitas, pró-reitor da FGV, outra vantagem é a possibilidade de selecionar talentos que estão longe dos grandes centros urbanos.

— Deixa de ser um exame da Zona Sul do Rio para ser um exame nacional — diz.

Recursos pedagógicos

A prova é realizada com dia e hora marcados. O aluno, no computador de casa, precisa usar um software específico para fazer o download do exame. A partir daí, não pode mais sair da cadeira, acessar outros dispositivos ou materiais, nem ter contato com outras pessoas (veja mais medidas de segurança ao lado).

No caso da PUC-PR, as questões e alternativas eram randômicas: ou seja, nenhum candidato teve uma prova igual a outra, o que dificulta a tentativa de um candidato tentar colar de outro participante.

— Avaliações digitais apresentam características positivas ou negativas — afirma Wagner Rezende, conselheiro da Associação Brasileira de Avaliação Educacional (Abave) e pesquisador do Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (CAEd/UFJF). — Por um lado, elas precisam de adaptação. Nem todo mundo sabe fazer prova por meio digital. Pessoas com acesso a internet têm maior familiaridade em relação a isso, o que significa um viés de classe claro na hora da seleção.

Porém, o especialista aponta que há vantagens pedagógicas nesse formato.

–—Ela permite desenvolver itens interativos. Por exemplo, um gráfico de matemática que se altera enquanto o aluno interage. Isso dá muitas possibilidades. Também pode haver provas adaptativas que vão mudando de dificuldade de acordo com o desempenho do aluno.

Desde a pandemia, mais de meio milhão de estudantes realizaram provas remotas. Em janeiro, o Amigo Edu, uma startup que organiza esse tipo de vestibular para universidades, realizou um exame que servia como vestibular para 47 mil participantes — o dobro do que o Enem digital, realizado em centros presenciais.

A Associação Nacional das Universidades Privadas (Anup) também realizou uma seleção online e gratuita, com ofertas de bolsa de 100% ou bônus no pagamento da matrícula de acordo com a nota.

— Essa também é uma forma de captar alunos neste momento de dificuldades econômicas das universidades privadas que gera economia — afirma Elizabeth Guedes, vice-presidente da Anup.

Futuro do Enem

Na avaliação de Wagner Rezende, conselheiro da Abave, a ideia de transformar o vestibular remoto em política pública está no horizonte, ainda que distante.

— Num primeiro momento, por questões de segurança, penso que ir a um local específico para fazer uma prova digital seja uma saída mais imediata. Mas acho que o vestibular remoto é um caminho para um momento posterior — diz.

Beto Dantas, CEO do Amigo Edu, afirma que o Enem pode existir num modelo híbrido, em que parte dos alunos façam de casa e outra parte – especialmente aqueles com dificuldade de acesso à internet – em locais de aplicação.

— Se o governo liberar a correção por inteligência artificial, é possível entregar a nota do Enem em cinco minutos. Hoje o aluno clica o botão de entregar a prova e nesse tempo a universidade já recebe a correção c afirma o CEO.

A Índia vai realizar a seleção para os cursos de Direito no país, um dos processos seletivos mais importantes do país de 1,3 bilhões de pessoas, através de um vestibular remoto.

O modelo também foi cogitado pelo College Board, empresa responsável pelo SAT, teste padronizado que é aplicado nos EUA e aceito até 2020 nas principais universidades do país. Os organizadores , após meses de desenvolvimento, desistiram do projeto. As instituições de ensino americadas decidiram não usar essas notas para seleção neste ano, por conta da pandemia.

Fonte: O Globo

Relator recua e mantém gasto mínimo com saúde e educação em PEC emergencial

26/02/2021 16:16

Inep apresenta proposta de atualização do Sinaes ao CNE

26/02/2021 16:10

Brasil tem maior índice de universitários que declaram ter saúde mental afetada na pandemia, diz pesquisa

26/02/2021 16:06

INSCREVA-SE PARA RECEBER NOVIDADES

Artigos, notícias e informativos sobre legislação da área da educação



CONTATO

SEPN 516 Norte, Bloco D, Lote 9,

Edifício Via Universitas, 4° andar

CEP 70.770-524 - Brasília - DF

Entrada pela via W2

(61) 3349.3300

(61) 3347.4951

(61) 3030.2200

(61) 9.9370.3311

abruc@abruc.org.br

REDES SOCIAIS

COPYRIGHT © 2018 ABRUC. A ABRUC não é responsável pelo conteúdo de sites externos.