NOTICIA

Mantido por Bolsonaro, Vélez diz que MEC está alinhado com Planalto

13/03/2019 13:51


O ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, disse hoje em sua conta no Twitter que o MEC (Ministério da Educação) está "100% alinhado" com o Planalto. 


"Estamos 100% alinhados com o Planalto e agora mais do que nunca focados na real mudança da educação no país e sempre ouvindo a voz de todos vocês. Seguiremos com a Lava Jato da Educação. #LavaJatoMEC", escreveu.

A manifestação de Vélez acontece em meio a uma crise por disputas internas no ministério. Desde a última sexta (8), servidores ligados ao escritor Olavo de Carvalho e à ala dos militares foram exonerados ou afastados de seus cargos.


Em meio à crise, houve expectativa de que o próprio Vélez pudesse ser demitido e substituído por outro nome indicado por Olavo de Carvalho, "guru" intelectual de Bolsonaro.


Mais cedo nesta terça, no entanto, o presidente afirmou que Vélez continuará no cargo e que os problemas no MEC estão resolvidos. À Folha, Bolsonaro disse que houve um "probleminha com o primeiro-homem" de Vélez --sem explicitar quem seria este "primeiro-homem".


Hoje, Carvalho usou as redes sociais para mandar um recado ao ministro. "Não quero derrubar ministro nenhum. Apenas apresentei pessoas, sem a menor pretensão de influenciá-las (sei que isto é inimaginável para o pessoal da mídia, para quem influenciar é orgasmo). O ministério é do Velez. Que o enfie no c*", escreveu.


Citada por Vélez em seu tuíte, a Lava Jato da Educação esteve no centro dos embates entre "olavetes" e militares no MEC. Segundo a pasta, a Lava Jato da Educação deve investigar suspeitas de fraude em gestões passadas, como em contratos do Prouni (Programa Universidade Para Todos) e supostas irregularidades na concessão de bolsas de ensino a distância e no sistema S.


Discípulos de Olavo de Carvalho acusaram o coronel Ricardo Wagner Roquetti, que ocupava um cargo de diretoria na secretaria-executiva da pasta, de "blindar" Vélez e atuar para empresários do ramo da educação, em uma suposta tentativa de interromper a Lava Jato da Educação. 


A pedido de Bolsonaro, Roquetti foi exonerado do cargo. Junto a ele, no entanto, outros cinco servidores foram demitidos --entre eles, dois alunos de Olavo de Carvalho: Silvio Grimaldo e Tiago Tondinelli, que eram, respectivamente, assessor e chefe de gabinete do ministro.


Fonte: UOL

CDH vai debater financiamento e resultados do Programa Mais Médicos

23/09/2019 10:40

Inep representa o Brasil em reunião dos países participantes do Pisa

23/09/2019 10:09

Faculdades privadas têm que adaptar aulas para pessoas com deficiência

20/09/2019 10:08

INSCREVA-SE PARA RECEBER NOVIDADES

Artigos, notícias e informativos sobre legislação da área da educação



CONTATO

SEPN 516 Norte, Bloco D, Lote 9,

Edifício Via Universitas, 4° andar

CEP 70.770-524 - Brasília - DF

Entrada pela via W2

(61) 3349.3300

(61) 3347.4951

(61) 3030.2200

(61) 9.9370.3311

abruc@abruc.org.br

REDES SOCIAIS

COPYRIGHT © 2018 ABRUC. A ABRUC não é responsável pelo conteúdo de sites externos.