NOTICIA

Em meio a corte de bolsas, entre 35 países Brasil é um dos três com menor número de doutores

10/09/2019 09:56

Relatório divulgado pela OCDE mostra cenário preocupante para o ensino superior do país.


Dados do relatório "Education at a Glance", divulgado nesta terça-feira pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), mostram que o Brasil ainda está engatinhando no que diz respeito à pós-graduação. De acordo com o estudo, entre os 35 países com dados disponíveis sobre o tema, o Brasil tem a terceira menor taxa de pessoas entre 25 e 64 anos que possuem doutorado. Enquanto no país esse índice é de 0,2% dessa população, a média das nações que compõem a organização é quase seis vezes maior, alcançando 1,1%.


Nesse quesito, o Brasil consegue superar apenas o México, que tem uma taxa de cerca de 0,1%, e a Indonésia que nem sequer chega a pontuar. O país com maior taxa é a Eslovênia, que alcança o patamar de 3,8% dessa população com doutorado. Embora o estudo analise 45 países, apenas 35 disponibilizaram dados sobre o tema.


A situação melhora ligeiramente em relação ao índice de mestres, mas os dados ainda são alarmantes, sobretudo pela distância em relação aos outros países do mundo.. De acordo com a OCDE, enquanto o Brasil tem apenas 0,8% das pessoas de 25 a 64 anos com mestrado, a média dos países que integram a organização é de 13% . A Rússia é o país com maior destaque em relação ao percentual de mestres, chegando a 29% das pessoas de 25 a  64 anos.


A deficiência do Brasil em relação ao desenvolvimento da pós-graduação pode se aprofundar ainda mais. Isso porque, recentemente, o governo federal tem reduzido sistematicamente o financiamento de pesquisas. O valor previsto para o orçamento do próximo ano prevê, por exemplo, que a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior ( Capes ), ligada ao Ministério da Educação ( MEC ), terá recursos para financiar apenas metade das bolsas de pós-graduação em 2020.


Além da Capes, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico ( CNPq ) vai perder 87% da verba de fomento à pesquisa em 2020, segundo a proposta orçamentária do governo. O montante é utilizado para gastos com insumos e equipamentos, por exemplo.


O relatório da OCDE mostra também que os problemas do país na etapa superior já começam com a graduação. De acordo com o estudo, apenas 21% dos brasileiros de 25 a 34 anos têm diploma de ensino superior . A dificuldade no acesso à universidade e a baixa taxa de conclusão causam o gargalo que faz com que os títulos de mestre e doutor sejam raros entre os brasileiros.


Fonte: O Globo

Capes deve liberar R$ 7 milhões para pesquisas na Amazônia Legal

20/11/2019 09:08

Inep firma cinco novos convênios e notas do Enem são aceitas em 47 instituições portuguesas

20/11/2019 09:03

Encontro permite troca de experiências sobre a metodologia de avaliação do ensino superior

20/11/2019 08:51

INSCREVA-SE PARA RECEBER NOVIDADES

Artigos, notícias e informativos sobre legislação da área da educação



CONTATO

SEPN 516 Norte, Bloco D, Lote 9,

Edifício Via Universitas, 4° andar

CEP 70.770-524 - Brasília - DF

Entrada pela via W2

(61) 3349.3300

(61) 3347.4951

(61) 3030.2200

(61) 9.9370.3311

abruc@abruc.org.br

REDES SOCIAIS

COPYRIGHT © 2018 ABRUC. A ABRUC não é responsável pelo conteúdo de sites externos.