NOTICIA

Doações a universidades poderão ser abatidas do imposto de renda

22/08/2018 15:51


Relator, João Alberto já emitiu parecer favorável à proposta

Pode ser votada na Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) a criação do Programa Nacional de Incentivo à Educação Superior (Pronies), que permite a pessoas físicas e jurídicas deduzir do Imposto de Renda doações ou patrocínios diretos a projetos educacionais ou de pesquisa de instituições de ensino superior gratuitas.


O autor do PLS 393/2017, senador Jader Barbalho (MDB-PA), apresentou na justificação do projeto dados que mostram as dificuldades de se concluir o estudo superior no Brasil e destacou a falta de recursos das universidades públicas, que têm sofrido para arcar com as despesas de custeio. Ele lembrou também que a Lei 13.490, de 2017, já autoriza doações, inclusive em dinheiro, para as universidades, mas sem prever dedução no Imposto de Renda.


Pelo Pronies, as pessoas físicas poderão abater 100% das doações até o limite de 6% do total devido do IR. As pessoas jurídicas tributadas com base no lucro real poderão deduzir também a integralidade das doações, mas até o limite de 1% do total devido. Já as empresas tributadas com base no lucro presumido poderão deduzir até 50% das doações. O projeto não especifica limite nesse terceiro caso.


As doações e patrocínios deverão ser dirigidos ao caixa único da instituição, mas, se destinados a setores ou projetos específicos, não poderão ser remanejados.


Benefícios

Pelo texto, são objetivos do Pronies: oferecer alternativa para a colaboração da sociedade na manutenção e desenvolvimento da educação superior; incentivar a pesquisa; promover a construção, reforma ou ampliação de universidades; incentivar o investimento em educação superior; estimular a implantação de projetos que visem a igualdade de condições para o acesso e permanência na universidade; financiar programas de formação continuada para professores; aprimorar o ensino; e aumentar o patrimônio das universidades.


O relator na CE, senador João Alberto Souza (MDB-MA), é favorável ao projeto: “é salutar o estímulo à captação de recursos financeiros para as instituições de educação superior, não apenas para promover a ampliação das oportunidades educacionais, mas também com vista à melhoria de suas condições de funcionamento”.


Ele apresentou emendas suprimindo dois artigos do texto original do PLS. A primeira retira a vedação do incentivo às instituições que restringem matrículas de pessoas com direito à educação superior. João Alberto afirma que a restrição é desnecessária pois a Constituição determina que todos têm direito à educação.


A outra emenda suprime artigo que obriga o governo federal a regulamentar a norma em 180 dias, uma vez que a lei seja sancionada. O relator argumenta que o Legislativo não pode estabelecer prazo para que o Executivo regulamente algo porque isso afrontaria o princípio da independência e harmonia entre os Poderes.


Fonte: Agência Senado

Câmara aprova MP que autoriza criação de fundos patrimoniais

11/12/2018 13:12

Plenário permite que fundações ligadas a universidades atuem como gestoras de fundos patrimoniais

11/12/2018 08:54

Mais Médicos: 53% dos profissionais já se apresentaram nos municípios

11/12/2018 08:41

INSCREVA-SE PARA RECEBER NOVIDADES

Artigos, notícias e informativos sobre legislação da área da educação



CONTATO

SEPN 516 Norte, Bloco D, Lote 9,

Edifício Via Universitas, 4° andar

CEP 70.770-524 - Brasília - DF

Entrada pela via W2

(61) 3349.3300

(61) 3347.4951

(61) 3030.2200

(61) 9.9370.3311

abruc@abruc.org.br

REDES SOCIAIS

COPYRIGHT © 2018 ABRUC. A ABRUC não é responsável pelo conteúdo de sites externos.