NOTICIA

Correção para educação é mantida

16/08/2018 14:40

O ministro da Educação, Rossieli Soares, e entidades estudantis comemoraram a decisão do presidente Michel Temer de manter o artigo 22 da Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO), que estabelece um piso para os recursos financeiros da pasta. O trecho estabelece que o orçamento do Ministério da Educação seja corrigido, pelo menos, pela inflação. “É muito importante, porque dá tranquilidade, um olhar diferente para a próxima gestão avançar em temas importantes para a educação. Demonstra a prioridade do país”, defendeu Soares.


O ministro disse ainda que vai concentrar esforços para manter e melhorar as previsões orçamentárias do setor no Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA), que precisa ser entregue ao Congresso Nacional até o fim de agosto. “Ainda tem uma discussão importante a ser feita com todos os atores, o Ministério do Planejamento e o governo como um todo. Os desafios não acabam, a gente está muito distante do ponto ideal e precisa dar alguns passos firmes nos próximos anos”, afirmou.


Recentemente, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) alertou que mais de 200 mil bolsas de graduação, pós-graduação e iniciação científica poderiam ser cortadas no primeiro semestre de 2019 por conta do arrocho fiscal, o que gerou fortes críticas ao governo federal. Até a presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Marianna Dias, que chegou a dizer, durante audiência pública na Câmara dos Deputados sobre o assunto, na terça-feira, que o presidente Michel Temer cedeu às pressões, comemorou. “Esta é uma vitória. Foi nítido que o próprio governo estava fazendo confusão. Chegaram a falar que havia o veto e depois voltaram atrás. Portanto, esse encaminhamento, sem dúvida, foi uma vitória a partir da nossa pressão”, disse.


Sem aval


O artigo 22 chegou a ser vetado por sugestão da equipe econômica, mas o Palácio do Planalto voltou atrás. A mudança de opinião, porém, não passou pela equipe econômica. O ministro do Planejamento, Esteves Colnago, defendeu, durante coletiva de imprensa, que o dispositivo engessa o orçamento ao criar “subtetos”, já que a Emenda Constitucional nº 95 — teto dos gastos — está vigente. Ele disse ainda que o governo federal enviaria uma nova proposta com um repasse ainda maior para o Ministério da Educação.


O Planejamento defende que o orçamento da Educação cresce a cada ano, mas as despesas obrigatórias tomam a maior parte da verba. Enquanto em 2012 a pasta gastava 39,8% do total de recursos para o pagamento da folha dos servidores, hoje o custo é de 58,1%. Isso deixa os investimentos comprometidos, segundo o ministro.


Fonte: Correio Braziliense


Comissão elege as cinco agraciadas com o Diploma Mulher-Cidadã 2018

12/11/2018 09:07

Exame tem a melhor aplicação desde 2009 e pela primeira vez não será necessária reaplicação

12/11/2018 08:44

Ensino médio poderá ter de 20% a 30% da carga horária a distância

12/11/2018 08:34

INSCREVA-SE PARA RECEBER NOVIDADES

Artigos, notícias e informativos sobre legislação da área da educação



CONTATO

SEPN 516 Norte, Bloco D, Lote 9,

Edifício Via Universitas, 4° andar

CEP 70.770-524 - Brasília - DF

Entrada pela via W2

(61) 3349.3300

(61) 3347.4951

(61) 3030.2200

(61) 9.9370.3311

abruc@abruc.org.br

REDES SOCIAIS

COPYRIGHT © 2018 ABRUC. A ABRUC não é responsável pelo conteúdo de sites externos.