NOTICIA

A ciência precisa das mulheres

10/10/2018 14:01


Ao mesmo tempo em que esses últimos meses ficarão em nossa história como um período de liberação global das vozes femininas no mundo do cinema, na política, no setor sem fins lucrativos e até nos negócios, existe um setor em que as vozes femininas permaneceram, surpreendentemente, silenciosas: a ciência. Isso acontece apesar do fato de que a ciência enfrenta o tipo de disparidade com a qual todos nós, enquanto sociedade, deveríamos nos preocupar.


Se a proporção de mulheres envolvidas em carreiras científicas cresceu, muitas delas ainda se deparam com obstáculos para conquistar uma carreira longa e próspera. Consequentemente, na União Europeia, por exemplo, apenas 11% dos cargos sênior em instituições acadêmicas são atualmente ocupados por mulheres. Menos de 30% dos pesquisadores são mulheres e apenas 3% dos Prêmios Nobel de Ciência foram concedidos a mulheres cientistas.


Como podemos explicar que, após anos de luta pela igualdade de gêneros, a sub-representação das mulheres na ciência continua sendo tão gritante e, acima de tudo, quais são as consequências disto para o nosso mundo? Elas são inúmeras e devemos, coletivamente, procurar entendê-las, tanto para a sociedade que queremos construir, quanto para o avanço do progresso e do conhecimento científicos, que são tão críticos para solucionar os grandes desafios do nosso tempo. A ausência de mulheres tem provocado, e continuará provocando, importantes consequências. Consideremos duas áreas de aplicação científica.

Primeiramente, na área da saúde, há múltiplos exemplos. Será que realmente nos demos conta de que, por exemplo, durante muito tempo prevaleceu a ideia de que doenças cardiovasculares eram um problema masculino? Os principais testes clínicos para reduzir fatores de risco eram liderados exclusivamente por homens. Até mesmo em 1999, foi observado que os médicos realizavam metade dos exames para doenças cardíacas em mulheres do que em homens. O estudo de referência sobre a aspirina como um meio de reduzir o risco de parada cardíaca envolveu mais de 22 mil homens e nenhuma única mulher. É muito triste verificar que isto levou a tratamentos inadequados para as mulheres.


A segunda área, que é igualmente preocupante, é o controle por parte dos homens da revolução digital, e as subsequentes implicações disto para as mulheres. Nos estágios iniciais do reconhecimento de voz, não havia dúvida com relação ao viés masculino no desenvolvimento de softwares. Consequentemente, não faz tanto tempo assim, o número de erros de transcrição em que mulheres usaram aplicativos de reconhecimento de voz era consideravelmente maior do que entre suas contrapartidas masculinas, pois os aplicativos haviam sido concebidos desde o início por homens.


No campo da inteligência artificial, que terá um efeito definitivo sobre nosso futuro, estudos também mostraram que bancos de imagens associam as mulheres a tarefas domésticas e os homens ao esporte, e que softwares de reconhecimento de imagem não somente reproduzem esses preconceitos, mas também os amplificam. Em contraste com os humanos, os algoritmos não conseguem combater conscientemente preconceitos adquiridos. Conforme a inteligência artificial invade gradualmente as nossas vidas, estas questões apenas aumentarão. Se os robôs são usados para modelar o mundo no futuro próximo, é vital que eles sejam programados por homens e mulheres.


Claramente, a ideia não é dizer que as mulheres seriam melhores cientistas do que os homens, mas, sim, nos conscientizarmos de que precisamos de uma comunidade científica mais equilibrada em termos de representação de gênero, de forma a não nos privarmos da criatividade e do talento de todos, e para criar, por meio do progresso científico, uma sociedade mais justa. Criar coalizões para uma ciência mais inclusiva é urgente para tratar melhor dos desafios que o mundo enfrenta, ao mesmo tempo em que se avança o conhecimento para o benefício de todos. O mundo precisa da ciência e a ciência, mais do que nunca, precisa das mulheres.


Fonte: Correio Braziliense

Dia Nacional da Consciência Negra celebra riqueza cultural, denuncia racismo, cobra direitos e respeito

20/11/2018 12:10

Grupo de trabalho analisará mestrado e doutorado profissionais

20/11/2018 08:51

Comissão da Câmara tenta votar projeto Escola sem Partido nesta terça

20/11/2018 08:43

INSCREVA-SE PARA RECEBER NOVIDADES

Artigos, notícias e informativos sobre legislação da área da educação



CONTATO

SEPN 516 Norte, Bloco D, Lote 9,

Edifício Via Universitas, 4° andar

CEP 70.770-524 - Brasília - DF

Entrada pela via W2

(61) 3349.3300

(61) 3347.4951

(61) 3030.2200

(61) 9.9370.3311

abruc@abruc.org.br

REDES SOCIAIS

COPYRIGHT © 2018 ABRUC. A ABRUC não é responsável pelo conteúdo de sites externos.