NOTICIA

Águas restritas

20/03/2019 10:28


Considerado um direito humano pela Organização das Nações Unidas (ONU), o acesso à água potável e ao saneamento básico está longe de ser uma realidade para mais da metade da população mundial. Segundo o Relatório Mundial da ONU sobre Desenvolvimento dos Recursos Hídricos 2019, lançado hoje em Genebra, falta água limpa e segura para 2,1 bilhões de pessoas, enquanto 4,5 bilhões carecem de serviços sanitários. Com o alerta de que a expectativa é de que a situação se agrave, devido às mudanças climáticas, o documento, intitulado Não deixar ninguém para trás, destaca a necessidade de políticas públicas comprometidas a mudar essa situação.


“Os números falam por eles mesmos. Como o relatório mostra, se a degradação do ambiente natural e a pressão insustentável sobre os recursos hídricos globais continuarem nas taxas atuais, 45% do Produto Interno Bruto global e 40% da produção global de grãos estarão em risco em 2050”, disse, em comunicado de imprensa, Gilbert F. Houngbo, presidente da ONU Água e do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (Fida). “Os pobres e as populações marginalizadas serão afetados desproporcionalmente, exacerbando mais as desigualdades já crescentes. O relatório de 2019 fornece evidências da necessidade de adaptar abordagens, tanto nas políticas quanto na prática, e de adereçar às causas da exclusão e da desigualdade.”


Na semana em que se comemora o Dia da Água, celebrado na sexta-feira, o trabalho da ONU detalha as múltiplas faces da disparidade ao acesso aos recursos hídricos. Por exemplo, em países mais pobres, as mulheres estão em desvantagem dentro do grupo dos mais desfavorecidos — nesses locais, geralmente cabe a elas andar quilômetros para coletar água. O relatório mostra que, em uma escala global, metade das pessoas que toma água de fontes não seguras vive na África. Na região subsaariana do continente, somente 24% da população têm água potável e apenas 28% contam com saneamento não compartilhado com outras pessoas.

Dentro das cidades, a desigualdade também está presente. “Na África subsaariana, a maioria da população tem acesso nas cidades, mas, na periferia urbana, não acessam nem água nem saneamento”, exemplifica Massimo Lombardo, oficial de Meio Ambiente da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) no Brasil. Ele esclarece que o relatório não traz informações destacadas por países, mas diz que alguns dos problemas descritos, como desigualdades regionais, territoriais e socioeconômicas associadas ao acesso à água de qualidade, também são realidade brasileira.


Contra o tempo 

Os países-membros da ONU — mais de 190 — têm relativamente pouco tempo para ampliar a cobertura de água potável e saneamento básico. Em 2015, eles se comprometeram com a Agenda de Desenvolvimento Sustentável,  que tem como metas, entre outras, acabar com a pobreza e a fome em todos os lugares, combater a desigualdade e proteger os recursos naturais até 2030. O objetivo 6 diz que os signatários devem “Garantir a disponibilidade e o manejo sustentável da água e do saneamento para todos”.


Massimo Lombardo afirma que, nos últimos quatro anos, foram feitos alguns avanços, mas insuficientes ante o desafio que o mundo tem pela frente. Perguntados pela ONU sobre políticas voltadas ao acesso à água e ao saneamento, 74% dos 74 países que responderam disseram ter algum plano com ações para levar os recursos hídricos aos mais pobres. Porém, somente 47% monitoram o progresso (33%, no caso dos de baixa renda) e apenas 19% aplicam os recursos previstos. De acordo com o relatório, os níveis atuais de financiamento dos serviços estão abaixo do necessário para se alcançar as metas de 2030. Para tanto, a ONU destaca a necessidade de se chegar, globalmente, a US$ 114 bilhões, três vezes mais do que o investido hoje

Mesmo os países mais ricos não lidam com os recursos hídricos como deveriam. Por exemplo, 80% das águas residuais não são tratadas, poluindo rios e colocando em risco a vida das pessoas. Enquanto nas zonas industrializadas a água costuma ser contaminada por poluentes, nas áreas rurais a maior parte da sujeira advém da atividade agrícola. “Precisamos de atitudes responsáveis, de perceber que a água não é ilimitada”, diz Massimo Lombardo. Embora o recado seja para governos, o oficial da Unesco ressalta que, individualmente, também é preciso respeitar a finitude desse recurso natural. Além de adotar medidas de economia da água, ele diz que os cidadãos devem cobrar, sempre, ações que garantam o acesso universal aos serviços hídricos.


"Os pobres e as populações marginalizadas serão afetados desproporcionalmente, exacerbando mais as desigualdades já crescentes”

Gilbert F. Houngbo, presidente da ONU Água e do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (Fida)


Fonte: Correio Braziliense

CE pode aprovar fundo para conceder bolsas de estudo em faculdades privadas

15/07/2019 13:42

Prazo para participar da lista de espera do ProUni começa hoje

15/07/2019 11:35

Lista de espera do Fies é automática e estudantes devem ficar atentos

15/07/2019 11:11

INSCREVA-SE PARA RECEBER NOVIDADES

Artigos, notícias e informativos sobre legislação da área da educação



CONTATO

SEPN 516 Norte, Bloco D, Lote 9,

Edifício Via Universitas, 4° andar

CEP 70.770-524 - Brasília - DF

Entrada pela via W2

(61) 3349.3300

(61) 3347.4951

(61) 3030.2200

(61) 9.9370.3311

abruc@abruc.org.br

REDES SOCIAIS

COPYRIGHT © 2018 ABRUC. A ABRUC não é responsável pelo conteúdo de sites externos.