CLIPPING

Tarefas humanas serão de inovação e relacionamento

26/04/2018 15:55

Quando o assunto é inteligência artificial, ainda há quem pense em filmes como 'O Exterminador do Futuro' e '2001: Uma Odisseia no Espaço' como um cenário possível de dominação das máquinas sobre a vida humana. A realidade da chamada revolução digital, porém, está longe de ser tão catastrófica - segundo os especialistas nesse tipo de tecnologia, o panorama mais provável é o de colaboração, em que máquinas e homens trabalharão juntos em sinergia.


Em janeiro, no Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça, o vice-presidente da consultoria Gartner, Peter Sondergaard, revelou otimismo ao prever que a inteligência artificial criaria 2,3 milhões de novos empregos até 2020. O executivo ecoou a opinião de muitos de seus colegas na indústria, que defendem que a AI trará mais produtividade para as empresas e melhorará processos, enquanto humanos ficarão a cargo de tarefas de inovação, criatividade e relacionamento. Não há dúvidas, porém, de que a nova economia digital também eliminará funções, principalmente as mais técnicas e operacionais.


"As competências que usávamos no passado para o desempenho de atividades repetitivas serão de fato substituídas pela tecnologia. A principal questão é quando isso vai acontecer", afirma Guilherme Soárez, CEO da HSM, especializada em desenvolvimento de pessoas. Ele acredita, porém, que a AI trará quatro grandes contribuições para os trabalhadores: capacidade de aprendizado, colaboração, predição e autoconhecimento. "À medida que os sistemas de inteligência começam a capturar e dar feedback para as pessoas sobre seus comportamentos e emoções, será possível se conhecer melhor e prever trilhas de carreira mais adequadas para cada pessoa", explica. "Quanto mais a tecnologia avança, mais humanos precisamos ser. Não adianta querer desenvolver habilidades técnicas que vão competir com a máquina", diz.


Nesse cenário, empresas que já começaram a investir em ferramentas e sistemas de AI já se preocupam também em formar seus profissionais para lidar com essas novas tecnologias. "Hoje temos muita disponibilidade de informação e capacidade de processamento, mas o que falta são pessoas preparadas para lidar com tudo isso", afirma Ricardo Vilanova, sócio da EY para a área de inteligência artificial e robótica.


Em janeiro, a empresa inaugurou um programa de ensino em inteligência artificial. A Analytics Academy surgiu com o foco em qualificação interna, mas a escassez de conhecimentos sobre AI no mercado fez com que a consultoria abrisse o programa para treinar também os funcionários de seus clientes. Com foco em projetos reais, o curso estimula o participante a seguir uma trilha de conhecimento que lembra os videogames: a cada etapa vencida, o aluno ganha um distintivo. "Percebemos que esse modelo de aprendizado funciona muito bem para a nova geração, assim como o enfoque prático e de colaboração."


A Microsoft Brasil também seguiu o caminho de formação do público externo. Em abril, a empresa anunciou um programa aberto de capacitação em inteligência artificial on-line. "O programa faz parte de um esforço corporativo mais amplo, que inclui uma escola de IA, voltada para desenvolvedores que desejam expandir seus recursos e usar os serviços da Microsoft", afirma Alessandro Jannuzzi, diretor de engenharia e inovação da Microsoft Brasil. Ele explica que mais de 10 mil brasileiros já completaram os cursos de IA da academia virtual. "Temos a responsabilidade de atuar para minimizar o impacto sobre os empregos que correm o risco de ser automatizados. Essa ação precisa ser focada no desenvolvimento de novas habilidades e conhecimentos."


O esforço de algumas empresas em 'democratizar' a inteligência artificial faz sentido para os negócios: ao dar ferramentas e conhecimentos aos clientes e ao público em geral, essas corporações acabam criando mercado consumidor que entende e usa seus produtos e serviços.


É o caso da Salesforce, que oferece treinamentos on-line gratuitos para o público sobre temas que vão desde noções básicas em desenvolvimento, marketing ou vendas até conhecimentos aprofundados em machine learning e inteligência artificial. O diretor de marketing para a América Latina, Daniel Hoe, explica que, a princípio, os conteúdos da ferramenta Trailhead eram focados em produtos da Salesforce, mas a companhia vem inserindo outros temas. "Nossa visão é a de que esses conhecimentos serão tão presentes em nossas vidas que todos teremos que saber um pouco. A IA é a matemática do futuro", afirma. O Trailhead possui uma versão paga customizada para empresas clientes, que inserem seus próprios conteúdos de e-learning além dos cursos oferecidos pela Salesforce.


Um dos usuários da ferramenta é a ZAP Imóveis, que nos últimos dois anos vem treinando sua equipe de marketing e mídia para melhorar performance e automação de processos. "O time é mais voltado para análise e menos para a operação. As pessoas ganharam qualidade no trabalho e se especializaram, deixando as funções operacionais de lado", diz Vinícius Vasconcelos, coordenador de marketing digital da empresa.


Valor Econômico

Veja também

Seguridade aprova proposta que fixa jornada do psicólogo em 30 horas semanais

17/08/2018 16:14

CAPES ajusta processos de entrada e permanência de programas de pós-graduação

17/08/2018 15:27

PROUNI: Inscrições a bolsas remanescentes abrem na próxima segunda, 20

17/08/2018 15:24

INSCREVA-SE PARA RECEBER NOVIDADES

Artigos, notícias e informativos sobre legislação da área da educação



CONTATO

SEPN 516 Norte, Bloco D, Lote 9,

Edifício Via Universitas, 4° andar

CEP 70.770-524 - Brasília - DF

Entrada pela via W2

(61) 3349.3300

(61) 3347.4951

(61) 3030.2200

(61) 9.9370.3311

abruc@abruc.org.br

REDES SOCIAIS

COPYRIGHT © 2018 ABRUC. A ABRUC não é responsável pelo conteúdo de sites externos.