CLIPPING

Para pesquisadores, integração é o caminho para biotecnologia avançar no Brasil

16/04/2018 14:54

A integração é o caminho para avançar na inovação biotecnológica industrial, defenderam pesquisadores durante o 2º Simpósio Cabbio de Temas Atuais em Biotecnologia, realizado nesta quinta-feira (12) no Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) com a participação de representantes do governo, setor produtivo e academia.

“Precisamos criar um ambiente favorável para essas interações. Queremos ampliar essa abordagem integrando as iniciativas. Daqui para frente, iremos promover ações convergentes e integradoras”, afirmou o coordenador-geral de Saúde e Biotecnologia do MCTIC, Luiz Henrique Mourão.

O Centro Brasileiro-Argentino de Biotecnologia (Cabbio, na sigla em espanhol) é um programa de integração regional lançado em 1987 para apoiar projetos conjuntos entre os dois países e, mais recentemente, o Uruguai.

“Atividades como esse simpósio são iniciativas excelentes, pois trazem os diferentes atores para o diálogo”, afirmou o presidente-executivo da Associação Brasileira de Biotecnologia Industrial (ABBI), Bernardo Silva.

Segundo ele, a ABBI busca defender o setor como um dos vetores do desenvolvimento nacional. “Da nossa parte, estamos atuando na comunicação com a sociedade com relação aos benefícios e ao potencial que a biotecnologia traz para o Brasil e para o mundo. Buscamos contribuir para acelerar o desenvolvimento dessa área no país, e dialogamos a nível regulatório para modernizar a legislação, que é bastante complexa e desatualizada”, acrescentou.

De acordo com a ABBI, a biotecnologia industrial é capaz de fazer mais com menos, utilizando enzimas e micro-organismos para aprimorar processos industriais e gerar produtos e materiais com alto valor agregado nos mais diversos setores.

Na avaliação do pesquisador Ricardo Yassaka, do laboratório nacional Cristália, o gargalo na comunicação entre os setores impede o Brasil de inovar mais. “Eu ainda vejo muita barreira entre a academia e a indústria. Um fomento maior nessa interatividade pode contribuir para a gente dinamizar isso”, afirmou.

O gerente de pesquisa avançada da L’Oréal no Brasil, Rodrigo De Vecchi, reforçou a importância dos investimentos em capacitação e pesquisa. “Todos os anos, a L’Oreal investe pelo menos 1 milhão de euros em pesquisas para inovação.”

Posição de destaque

Os especialistas defenderam que o Brasil aproveite melhor suas características naturais e seu potencial humano. “Quando falamos em biotecnologia, o Brasil sempre teve posição de destaque. Por muitas razões. Nós temos uma grande biodiversidade e competência na área. O Brasil é forte nas pesquisas em ciências da vida”, avaliou a representante da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig), Elza Fernandes de Araújo.

Na avaliação dela, o simpósio Cabbio é um ganho para o Mercosul. “É realmente um marco. Contabilizando décadas de atividades, o Cabbio vem trabalhando para gerar recursos humanos, avançar na inovação científica e permitir a interação entre grupos de países do Mercosul, mais especificamente Argentina, Brasil e Uruguai.”

Assessoria de Comunicação Social - MCTIC

Veja também

Seguridade aprova proposta que fixa jornada do psicólogo em 30 horas semanais

17/08/2018 16:14

CAPES ajusta processos de entrada e permanência de programas de pós-graduação

17/08/2018 15:27

PROUNI: Inscrições a bolsas remanescentes abrem na próxima segunda, 20

17/08/2018 15:24

INSCREVA-SE PARA RECEBER NOVIDADES

Artigos, notícias e informativos sobre legislação da área da educação



CONTATO

SEPN 516 Norte, Bloco D, Lote 9,

Edifício Via Universitas, 4° andar

CEP 70.770-524 - Brasília - DF

Entrada pela via W2

(61) 3349.3300

(61) 3347.4951

(61) 3030.2200

(61) 9.9370.3311

abruc@abruc.org.br

REDES SOCIAIS

COPYRIGHT © 2018 ABRUC. A ABRUC não é responsável pelo conteúdo de sites externos.