CLIPPING

Ministro da Educação reafirma que há plantações de maconha nas universidades

12/12/2019 11:08

Oposição acusa ministro de sensacionalismo e de falta de projeto; Weintraub disse que está promovendo uma revolução no ensino



O ministro da Educação, Abraham Weintraub, reiterou, em debate na Câmara dos Deputados, nesta última quarta-feira (11), que há plantações de maconha nas universidades e que laboratórios de química das instituições são usados para a produção de drogas sintéticas. Ele exibiu matérias jornalísticas colhidas na internet, as quais, para ele, seriam a prova das declarações.

O ministro foi convocado pela Comissão de Educação para dar explicações sobre declarações dada à imprensa no mesmo sentido. A reunião, que durou mais de sete horas, foi marcada por muitas trocas de agressões e já começou com confusão, quando o ministro exibiu matéria jornalística antiga mostrando plantação de maconha na Universidade de Brasília (UnB).

O vídeo provocou reações indignadas de vários deputados, como de Marcelo Freixo (Psol-RJ). “Se a pauta vai ser exclusivamente esta, diante de tudo que está se passando em relação à crise nas universidades, à falta de investimento, isso é um desrespeito profundo à educação, e vou me retirar. É um insulto aos educadores, não dá”, afirmou.

Política educacional
Weintraub alegou que foi convocado para falar sobre o tema, e que “adoraria ter sido convidado para falar sobre a revolução no ensino” que disse estar promovendo. Ele citou programa de incentivo à leitura do MEC e “o melhor Enem [Exame Nacional do Ensino Médio] de todos os tempos”.

Os requerimentos de convocação do ministro foram apresentados pelos deputados Rosa Neide (PT-MT)Margarida Salomão (PT-MG)Ivan Valente (Psol-SP)Bacelar (Pode-BA) e Alencar Santana Braga (PT-SP).

Valente argumentou que o requerimento de convocação trata de outros assuntos. Ele acredita que o debate sobre drogas nas universidades tem o objetivo de “desviar a atenção da verdadeira política educacional”. Ele questionou Weintraub, por exemplo, sobre a baixa execução orçamentária do ministério e sobre a nomeação para cargos na pasta de pessoas ligadas a grupos empresariais de ensino. O ministro negou ligação com o setor privado de ensino.

PM nas universidades
O ministro também exibiu reportagem sobre a produção de drogas sintéticas em laboratório de química na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e sobre a apreensão de maconha e haxixe na instituição. E mostrou ainda reportagens sobre o consumo de drogas em outras federais, sem citar as datas das matérias.

Abraham Weintraub disse que não se trata de casos isolados e que há uma “epidemia” de drogas nas universidades, por isso defendeu a entrada da Polícia Militar nas instituições. “Sou a favor da autonomia universitária [prevista na Constituição] para o ensino, pode ensinar Karl Marx se quiser. Agora, a PM tem que entrar nos campi.”

Sensacionalismo
Conforme Margarida Salomão, as matérias apresentadas são sensacionalistas e tratam de eventos isolados, já apurados e desmentidos oficialmente pela polícia e pela Justiça. Segundo ela, as universidades federais são local de produção de conhecimento e de pesquisa, e um ministro não pode usar da palavra sem responsabilidade.

Audiência com ministro durou mais de sete horas e foi marcada pela troca de acusações

“É seu papel como gestor da educação apurar, cobrar, inibir, impedir. Ao não fazer isso e tratar esse assunto como fofoca e meme, o senhor está praticando prevaricação, o que é inaceitável para o servidor público”, afirmou. Já Alencar Santana Braga acredita que o problema das drogas não deve ser tratado pelo ministro da Educação, e sim por outras instâncias do governo.

Avião presidencial
Assim como outros deputados, Bacelar e Rosa Neide questionaram se seria responsabilidade do presidente da República a apreensão de 39 quilos de cocaína no avião presidencial. Weintraub alegou que não acusou reitores ou professores  de responsabilidade pela suposta presença de drogas nas universidades.

O ministro destacou várias vezes durante a sessão que defende “os valores da família e da classe média” nas universidades – e foi apoiado por deputados governistas. Caroline de Toni (PSL-SC) disse que as federais são “aparelhadas pela esquerda”, que “manipula” e “doutrina” as mentes dos jovens. Otoni de Paula (PSC-RJ) acusou a oposição de não condenar o uso de drogas.

Extinção do Fundeb
Coordenadora da comissão externa criada na Câmara para acompanhar os trabalhos do MEC, a deputada Tabata Amaral (PDT-SP) acredita que o ano foi perdido para a educação, especialmente na área de alfabetização. Ela cobrou do ministro um plano de correção de rota. “Gaste seu tempo não olhando para o problema que seria de outros ministérios, mas, por exemplo, fazendo com que o Fundeb [Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação] seja renovado”, sugeriu. A legislação atual extingue o fundo em 2020.

“Não quero a sua recomendação pessoal”, respondeu o ministro. Ele informou que o governo vai enviar proposta ao Congresso para resolver o problema do Fundeb. A Câmara já discute há quatro anos uma proposta que torna o Fundeb permanente (PEC 15/15).


Fonte: Agência Câmara


Veja também

Senadores avaliam uso de recursos do Fundeb para custeio do Renda Cidadã

30/09/2020 13:33

MEC publica edital para 50 mil vagas remanescentes do Fies

30/09/2020 12:41

Estudo da vacina de Covid-19 na PUC-RS passa a receber idosos e pessoas que já tiveram a doença

29/09/2020 13:08

INSCREVA-SE PARA RECEBER NOVIDADES

Artigos, notícias e informativos sobre legislação da área da educação



CONTATO

SEPN 516 Norte, Bloco D, Lote 9,

Edifício Via Universitas, 4° andar

CEP 70.770-524 - Brasília - DF

Entrada pela via W2

(61) 3349.3300

(61) 3347.4951

(61) 3030.2200

(61) 9.9370.3311

abruc@abruc.org.br

REDES SOCIAIS

COPYRIGHT © 2018 ABRUC. A ABRUC não é responsável pelo conteúdo de sites externos.