CLIPPING

Melhor ensino remoto não é tela o dia todo, diz criador do Google Classroom

18/02/2021 16:13

Plataforma terá novidade para incentivar engajamento e ajudar aluno com conexão limitada à internet


O abalo que a pandemia de coronavirus provocou no mundo, e na educação em particular, colocou sem aviso prévio milhões de estudantes em plataformas de educação online. E é do criador de uma delas a afirmação de que ficar o dia todo em frente a uma tela pode não ser o melhor a fazer em tempos de ensino híbrido.

Gerente de produto do braço de educação do Google, Zach Yeskel criou o Google Classroom, que, em um ano, passou de 40 milhões de usuários para 150 milhões, em um número que inclui estudantes, professores e gestores de escolas.

A plataforma permite a postagem de propostas e tarefas pelos educadores, que podem também receber o retorno dos alunos por ali. Outras atividades podem ser feitas também com a integração com outros programas do Google, como o Docs, para documentos, e o Meets, para aulas e encontros virtuais em geral.

Usado tanto em escolas privadas como nas redes públicas de diversos estados, como São Paulo, o Google Classroom foi o sétimo termo mais procurado pelos usuários brasileiros no gigante de buscas em 2020 (atrás de coronavírus, auxílio emergencial, eleições 2020, eleições EUA, BBB 2020 e Copa do Brasil).

Zach Yeskel, criador do Google Classroom
Zach Yeskel, criador do Google Classroom - Divulgação

Assim como o uso de plataformas como essa, a transformação da sala de casa em sala de aula tornou centrais problemas que antes eram secundários, como a desigualdade de acesso à internet. Desafios novos surgiram. O medo dos jovens de perderem a conexão e verem virar meme a imagem congelada na tela é um exemplo, assim como a dificuldade do professor de atrair a atenção do aluno sem o olho no olho.

Em resposta a algumas dessas questões, o Google anuncia nesta quarta-feira (17) mudanças que visam, entre outros pontos, ajudar educadores a engajar mais os alunos nas aulas e facilitar o acesso de quem não tem conectividade boa.

Atrair a atenção dos alunos tem sido especialmente desafiador para pais e professores de crianças mais novas.

“Aprendemos que uma boa prática para o ensino remoto não é pedir para estudantes ficarem em frente a uma tela como se estivessem na escola o dia todo, mas sim ter mais atividades assíncronas [não ao vivo]”, diz Yeskel. Ou seja, dar um oi virtual ao professor e aos colegas, talvez ter alguma reunião online, ficar por dentro das tarefas do dia, fazê-las em casa e depois enviar o que foi feito ao professor ou aos colegas.

“Isso traz desafios para os pais, que também precisam ficar mais engajados, então não funciona em todos os casos”, afirma. "Mas temos visto muita criatividade dos educadores em manter o engajamento, seja jogando jogos virtuais, seja levantando da cadeira e dançando por um tempo.”

Entre as novidades do Google para melhorar o engajamento da turma está a possibilidade de reações com o uso de emojis nos encontros ao vivo e o detalhamento para os professores de estatísticas de participação. Será possível saber, por exemplo, quem visualizou determinada tarefa e qual foi a última vez que viram alguma atividade.

As preocupações com cyberbullying também cresceram neste ano, junto ao uso das plataformas.

Uma das novidades permitirá que o professor silencie todos os participantes de uma vez e encerre a reunião para todos os alunos.

Outro anúncio importante se refere à possibilidade de uso offline do Classroom para quem tiver dispositivo android. A conexão será requerida no envio das tarefas, mas não em sua elaboração.

Por fim, uma nova política de armazenamento de conteúdo deve afetar em torno de 1% das escolas.

Em um momento em que escolas do mundo todo começam a voltar ao modo presencial ou híbrido, mas sem perspectiva de que o “estúpido coronavírus”, como chamam os filhos do gerente do Google, deixe de circular, Yeskel avalia que as ferramentas continuarão a ser massivamente utilizadas pelos professores para gerenciar a sala de aula.

“Definitivamente, não queremos que as escolas permaneçam remotas e que todos fiquem no ensino virtual, mas acho que essas ferramentas ainda serão úteis e muito usadas para as coisas para as quais foram inicialmente projetadas, como facilitar a distribuição de trabalho, comunicar e dar retornos a quem usa”, diz.

Fonte: Folha de S. Paulo

Veja também

Senado aprova PEC Emergencial em 2º turno; texto vai à Câmara

04/03/2021 16:11

Governo inclui trabalhadores da educação no grupo prioritário de vacinação

04/03/2021 16:01

Seis universidades brasileiras somam 33 cursos entre os 100 melhores do mundo, aponta ranking global

04/03/2021 15:58

INSCREVA-SE PARA RECEBER NOVIDADES

Artigos, notícias e informativos sobre legislação da área da educação



CONTATO

SEPN 516 Norte, Bloco D, Lote 9,

Edifício Via Universitas, 4° andar

CEP 70.770-524 - Brasília - DF

Entrada pela via W2

(61) 3349.3300

(61) 3347.4951

(61) 3030.2200

(61) 9.9370.3311

abruc@abruc.org.br

REDES SOCIAIS

COPYRIGHT © 2018 ABRUC. A ABRUC não é responsável pelo conteúdo de sites externos.