CLIPPING

Indígenas e Quilombolas não aceitam cortes de 4 mil bolsas auxílio

06/06/2018 15:02

Estudantes vão a Brasília de 18 a 22 de Junho para uma mobilização nacional


O que já estava ruim, ficou pior. No último dia dia 29 de maio de 2018 o Ministro da Educação, Rossieli Soares da Silva comunicou os cortes no auxílio financeiro à indígenas e quilombolas que estudam em universidades federais em uma audiência pública em Brasília.


“Muitos de nós saimos da nossas aldeias e precisamos da bolsa para sobreviver nas universidades em uma realidade muito diferente da nossa”, afirma a estudante de Agroecologia e do Coletivo Indígena da Universidade Federal do Reconcâvo da Bahia (UFRB), Thyara Pataxó.


De acordo com a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi/MEC) o primeiro semestre de 2018 recebeu matrículas de 2.500 novos estudantes indígenas e quilombolas para acessarem o Programa Bolsa Permanência.


Durante a reunião o ministro fez uma proposta de 800 bolsas para todo o Brasil, um corte de aproximadamente 4 mil vagas anuais. “Uma proposta injusta e infeliz que não vai beneficiar nem 20% dos estudantes que precisam. Estamos fazendo mobilizações nas nossas aldeias, universidades e vamos fazer uma nacional em Brasília de 18 a 22 de Junho. Não aceitamos essa condição e queremos uma nova reunião com o Ministro”, destacou Thyara.


Ela conta ainda que na UFRB eles são em 20 indígenas e que um inclusive desistiu do curso em decorrencia da falta de bolsa. “Tem gente que está há anos tentando e não consegue”.


A comissão de estudantes que esteve em Brasília divulgou uma nota oficial em que afirma que a proposta do governo fere os direitos dos povos “nos põe em uma situação de conflito com os próprios parentes indígenas e quilombolas, dado que o momento é de união e somar forças”.


E agradecem o apoio de universidades e instituições que estão mobilizadas como a UnB, UFPA, UFBA, UfsCar, UFMT, entre outras. Confira a nota aqui na íntegra.


CORTES NAS BOLSAS NÃO PARAM


Criado em 2013, o Bolsa Permanência é uma ação do Governo Federal que oferece auxílio financeiros a estudantes indígenas, quilombolas matriculados em instituições federais de ensino superior. Desde sua criação, o programa atendeu 7.370 indígenas, 2.666 quilombolas e 9.563 estudantes de baixa renda, que deixaram de receber o auxílio em 2016.


Dois dias depois da audiência pública com os estudantes indígenas e quilombolas o governo federal anunciou um novo corte para subsidiar a queda do preço do combustível no país. Serão 55,1 milhões de reais a menos em outro programa de concessão de bolsas: o Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento das Instituições de Ensino Superior (Proies).


Fonte: UNE

Veja também

Seguridade aprova proposta que fixa jornada do psicólogo em 30 horas semanais

17/08/2018 16:14

CAPES ajusta processos de entrada e permanência de programas de pós-graduação

17/08/2018 15:27

PROUNI: Inscrições a bolsas remanescentes abrem na próxima segunda, 20

17/08/2018 15:24

INSCREVA-SE PARA RECEBER NOVIDADES

Artigos, notícias e informativos sobre legislação da área da educação



CONTATO

SEPN 516 Norte, Bloco D, Lote 9,

Edifício Via Universitas, 4° andar

CEP 70.770-524 - Brasília - DF

Entrada pela via W2

(61) 3349.3300

(61) 3347.4951

(61) 3030.2200

(61) 9.9370.3311

abruc@abruc.org.br

REDES SOCIAIS

COPYRIGHT © 2018 ABRUC. A ABRUC não é responsável pelo conteúdo de sites externos.